Nova Área de Matéria Prima Villares Metals Tempo de leitura 3 minutos
Inovação

Nova Área de Matéria Prima Villares Metals

Viktoria Steininger
Holds editorial responsibility for blog topics, is researching and writing articles. Her stories give insights into the world of the voestalpine Group.

A nova Área de Matéria-prima da Villares Metals foi inaugurada em meados de julho e, graças a este investimento, a empresa poderá otimizar consideravelmente a utilização de matérias-primas.

Com mais de 400 pessoas envolvidas desde a concepção do projeto até sua execução, a nova Área de Matéria-Prima da Villares Metals com 36.000m² de área total, foi inaugurada em meados de julho e apresenta características consideradas pioneiras no Brasil e no grupo voestalpine.

Devido à grande variedade de produtos e ao alto valor associado à matéria-prima, a necessidade de otimização no gerenciamento das sobras dos processos, bem como das sucatas compradas de fontes externas, é de extrema importância para se garantir um bom resultado.

Por muito tempo foram utilizadas algumas áreas para armazenamento e preparação das cargas metálicas que não dispunham de boas condições, de forma que não havia espaço suficiente para separação por famílias de composição química e forma física (cavacos, peças, pós) das sobras de processo. Além disso, eram usadas áreas distintas e não apropriadas ambientalmente para armazenamento de produto contendo substâncias nocivas ao meio ambiente.

Outra grande demanda no processo de armazenamento e preparação da carga fria eram os formatos dos cestos para carregamento dos fornos, que não dispunham de geometria favorável em relação ao formato dos fornos e, a limitação na compra de sucatas externas devido à baixa produtividade no processamento da sucata para utilização (oxicorte e desbobinadeira).

Em meio à grande participação da matéria-prima no custo do produto (em média mais de 50%) e às condições até então disponíveis, se fez necessário este investimento que trouxe entre outros, os principais benefícios:

  • Concentração de toda sucata de retorno dos processos em um único local, para diminuir custos com transporte e melhorar o gerenciamento do estoque;
  • Utilização de escavadeiras ágeis na confecção dos cestos ao invés de pontes rolantes, aumentando a produtividade;
  • Espaço para armazenamento das matérias-primas por composição química, para diminuir as corridas sucatadas por contaminação de elementos indesejados e otimização do uso;
  • Espaço para armazenamento das matérias-primas por forma física, para aumentar o rendimento e reduzir as sobras nos processos de aciaria;
  • Padronização da confecção das cargas frias nos novos cestos, de forma a otimizar o preenchimento dos fornos durante o carregamento e diminuindo as paradas por carregamento e/ou socamentos (menos quantidade de cestos/corrida);
  • Espaço 100% impermeável, o que permite o manuseio de materiais contaminados com óleo, melhorando as condições ambientais;
  • Baias móveis que permitem variar o tamanho, disposição e material alocado, permitindo organizar a área sempre em função do MIX de produção atual. Estas baias foram construídas com blocos produzidos através da utilização dos resíduos da aciaria (escória);
  • Criação de ambiente mais seguro no processo de armazenamento, transporte e utilização da matéria-prima;
  • Área distante da divisa da empresa com a vizinhança, evitando problemas sonoros com a comunidade.
"Este investimento coloca a empresa numa condição muito melhor de gerenciamento das sucatas e ligas, podendo otimizar o transporte, armazenamento, desenvolvimento e principalmente a aplicação da matéria-prima. É o tipo de investimento que fortalece os pilares da empresa e garante a sustentabilidade num mercado cada vez mais competitivo"
ZitatLuiz Roberto Moraes Junior, Gerente da Área de Matéria-Prima
Viktoria Steininger